O comportamento sintático-semântico do pronome de terceira pessoa no português brasileiro

Danniel da Silva Carvalho, Fernanda de Oliveira Cerqueira

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo observar aspectos do comportamento morfossintático e semântico da forma pronominal de terceira pessoa plena no Português Brasileiro (PB), a partir do inventário de traços que a constitui, sob a perspectiva de uma teoria de traços (HARBOUR, ADGER & BÉJAR, 2003). Para tanto, foram observados dados de introspecção do português brasileiro, conforme os pressupostos teóricos da Teoria Gerativa, conforme o Programa Minimalista (CHOMSKY, 1995 e posteriores), os quais permitiram observar que a terceira pessoa plena pode ocorrer em qualquer contexto sintático, que permite apenas leitura definida e específica, exceto em posição de sujeito, que pode assumir leitura definida e/ou específica, ou ainda, nenhuma das duas (caso dos expletivos), e, portanto, terceira pessoa não apresenta comportamento arbitrário, como ocorre com a primeira e a segunda pessoa.  Os resultados mencionados, por conseguinte, apontam para as seguintes conclusões: (a) a geometria de traços da categoria pessoa parece estar relacionada com elementos, em princípio, pós-sintáticos como semântica e pragmática; e (b) a terceira pessoa pode ser a forma pronominal default, em português, pois é o pronome pessoal cuja forma é mais subespecificada, não possui leitura genérica e comportamento arbitrário e é a forma expandida para neutros e expletivos na maioria das línguas humanas.

Palavras-chave


Pronomes; Terceira pessoa; Referencialidade; Sintaxe

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i46.1076

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 Danniel da Silva Carvalho, Fernanda de Oliveira Cerqueira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.