Restrições linguísticas na palatalização do /s/ pós-vocálico seguido de [t] ou [ʧ] na fala de Caravelas – Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v1i45.1126

Palavras-chave:

Variação linguística, Palatalização, Fala Caravelense, Português Brasileiro

Resumo

Neste texto, apresentamos generalizações sobre efeitos linguísticos na realização alveopalatal [ʃ] ou alveolar [s] do /S/ pós-vocálico seguido de [t] ou [ʧ] na fala de 25 falantes de Caravelas-BA, estratificados pelo sexo, faixa etária e escolarização. A análise foi feita à luz da Teoria da Variação e Mudança Linguística (LABOV, 2008 [1972]; WEINREICH, LABOV & HERZOG, 2006 [1968]). Para o tratamento estatístico dos 1189 dados variáveis, usamos o GoldVarb X (SANKOFF, TAGLIAMONTE & SMITH, 2005). A primeira restrição estatisticamente significativa é a posição do /S/ na palavra, com a posição medial favorecendo a palatalização. A segunda é o contexto vocálico antecedente, em que a palatalização é favorecida pelos traços [+posterior] e [+alto]: o efeito mais forte é da vogal [u]. A posteriorização é o traço de maior influência, paralelamente ao efeito da vogal alta anterior [i]. Portanto, quanto mais recuada e mais alta a língua na vogal antecedente, maior a chance da realização alveopalatal. A terceira restrição estatisticamente significativa é o contexto consonantal seguinte, em que a alveopalatal é favorecida pela africada alveopalatal [ʧ] e inibida pela oclusiva alveolar [t]. Desse modo, propriedades de segmentos precedentes e seguintes evidenciam assimilação progressiva e regressiva, respectivamente, caracterizando um fenômeno linguístico regular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jares Gomes Lima, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e Mestre em Estudos Linguísticos pela mesma instituição. Fez graduação em Letras: Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Desenvolve pesquisas com ênfase em Sociolinguística Variacionista, aprofunda-se em temáticas voltadas à variação fonético-fonológica. Atua como pesquisador nos grupos de pesquisa Projeto Português Falado na Cidade de Vitória - PortVix (UFES/CNPq) e Programa de estudos sobre o uso da língua - PEUL (UFRJ/CNPq).

Maria Marta Pereira Scherre, Universidade de Brasília Universidade Federal do Espírito Santo

Maria Marta Pereira Scherre possui graduação em Letras pela PUC-MG (1973), mestrado em Letras pela PUC-RJ (1978) e doutorado em Linguística pela UFRJ (1988). Participou do Programa Professor Visitante Nacional Sênior (PVNS) pela Capes junto à Ufes, de 01/2015 a 12/2018. É pesquisadora 1-B do CNPq, professora voluntária da Ufes, professora colaboradora plena da UnB, membro do Programa de Estudos sobre o Uso da Língua (Peul) da UFRJ, do Grupo de Estudos Avançados em Sociolinguística (Geas) da UnB e do Projeto Português Falado na Cidade de Vitória (PortVix) da Ufes. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Sociolinguística e Dialetologia, atuando principalmente nos seguintes temas: variação linguística, mudança linguística, português brasileiro, concordância verbal de terceira e de primeira pessoa, concordância nominal de número, imperativo gramatical, pronomes de segunda pessoa e preconceito linguístico. Além de mais de 90 artigos e capítulos de livros em obras nacionais e internacionais, publicou pela Parábola o livro autoral Doa-se Lindos Filhotes de Poodle - Variação Linguística, Mídia e Preconceito (2005) e, com Anthony J. Naro, o livro Origens do Português Brasileiro (2007). Em 2006, participou da Encyclopedia of Language & Linguistics (Oxford: Elsevier), com o verbete Speech Community e do Sociolinguistic/Soziolinguistik - An International Handbook of the Science of Language and Society (Berlin/New York: Walter de Gruyter), com o texto Brazil/Brasilien. Em 2008, participou da tradução do livro Sociolinguistic Patterns, de William Labov, publicada pela Parábola. Com Anthony Julius Naro, retoma o modelo de fluxos e contrafluxos de Naro (1981), no artigo Remodeling the Age Variable: Number Concord in Brazilian Portuguese, publicado em 2013, na Language Variation and Change 25. Discute correlatos objetivos para reações subjetivas a um livro didático aprovado pelo MEC, no ensaio Respeito pela Fala do Outro: Realidade Possível?, Revista Letra, da UFRJ, em 2013, e no texto Sociolinguistic Correlates of Negative Evaluation: Variable Concord in Rio de Janeiro, na Language Variation and Change 26, em 2014. Em 2015, publicou, com Maria Eugênia Lammoglia Duarte, o texto Main Current Processes of Morphosyntactic Variation, em The Handbook of Portuguese Linguistics, pela Wiley-Blackwell e, com Anthony J. Naro, o texto Drifting Toward the Standard Language, no livro Linguistic Variation ? Confronting Fact and Theory, pela Routledge. Com Lilian Yacovenco, discute um novo modelo para dar conta do Paradoxo do Gênero, com base na noção de marcação linguística, no texto A Variação Linguística e o Papel dos Fatores Sociais: o Gênero do Falante em Foco, Revista da ABRALIN, de 2011. Com Nívia Lucca, Edilene Patrícia Dias, Carolina Andrade e Germano Martins, orientandos da UnB, discute a focalização dialetal da fala brasiliense, no texto Tu, Você, Cê e Ocê na Variedade Brasiliense, publicado na Papia, 21, de 2011 e apresenta proposta de um mapa dos pronomes de segunda pessoa no texto Variação dos Pronomes: Tu e Você, publicado em 2015, no livro Mapeamento Sociolinguístico do Português Brasileiro, pela Contexto. Desde 1990, participa regularmente do New Ways of Analyzing Variation (NWAV), o principal evento da Teoria da Variação e de Mudança Linguística. Em 2016, em Vancouver-Canadá, proferiu, com Anthony. J. Naro, a palestra de abertura do NWAV 45, com o tema General Principles Governing Variation in Brazilian Portuguese: The Scale of Prominence. À mesma época, também com Anthony J. Naro, foi palestrante do Simon Fraser University Linguistics Colloquium, com o tema Revisiting Sociolinguistic Trends in The Brazilian Speech Community. Em parceria com orientandos e colegas da UFRJ, UnB, Ufes e UEG, desenvolve pesquisas comparativas sobre a concordância com o pronome nós, a alternância nós e a gente e diversos outros temas, com novas publicações em 2016, 2017 e 2018.

Downloads

Publicado

2018-08-22

Como Citar

Lima, J. G., & Scherre, M. M. P. (2018). Restrições linguísticas na palatalização do /s/ pós-vocálico seguido de [t] ou [ʧ] na fala de Caravelas – Bahia. Revista Da Anpoll, 1(45), 30–46. https://doi.org/10.18309/anp.v1i45.1126

Edição

Seção

SEÇÃO LINGUÍSTICA