O movimento de sobrancelhas como marcador de domínios sintáticos na Língua Brasileira de Sinais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v1i48.1235

Palavras-chave:

Língua Brasileira de Sinais, Sintaxe de Línguas de Sinais, Marcadores não-manuais, Movimento de Sobrancelhas

Resumo

Este trabalha objetiva discutir o papel do movimento de sobrancelhas enquanto marcador de domínios sintáticos na Língua Brasileira de Sinais (Libras). A partir da análise de duas narrativas em Libras, identificamos contextos sintáticos em que o levantamento ou abaixamento de sobrancelha ocorre. Alguns desses contextos já foram descritos anteriormente na literatura em análises de outras línguas de sinais e também da própria Libras, a saber: topicalização, orações condicionais, orações relativas e interrogativas do tipo QU- e sim/não. Adicionalmente, encontramos ocorrências de levantamento de sobrancelhas em apontamentos indexicais (com função determinante ou pronominal), em orações adverbiais e em construções que se assemelham a apostos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lorena Mariano Borges Figueiredo, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais, na área de Linguística Teórica e Descritiva, com pesquisa voltada para a descrição e análise sintática da Língua Brasileira de Sinais.Graduada em Letras, Licenciatura em Português e Bacharelado em Estudos Linguísticos do Português, pela FALE/UFMG.

Guilherme Lourenço, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais

Doutor em Linguística Teórica e Descritiva (Poslin/UFMG). Professor adjunto da Faculdade de Letras da UFMG, atuando na área de Língua Brasileira de Sinais.

Downloads

Publicado

2019-06-25

Como Citar

Figueiredo, L. M. B., & Lourenço, G. (2019). O movimento de sobrancelhas como marcador de domínios sintáticos na Língua Brasileira de Sinais. Revista Da Anpoll, 1(48), 78–102. https://doi.org/10.18309/anp.v1i48.1235

Edição

Seção

Linguística 2019