Considerações sobre semiótica pragmática: contraponto com a teorização linguística

Débora Liberato Arruda Hissa, Valdinar Custódio Filho

Resumo


Neste artigo, temos como objetivo discutir os princípios da Semiótica pragmática com vistas a traçar um paralelo entre essa teoria e o aparato pragmático considerado pela Linguística – particularmente, aquele que, em seus diferentes matizes, orienta as disciplinas da Enunciação. Refletimos sobre a natureza pragmática da Semiótica proposta por Charles Sanders Peirce, confrontando-a com os princípios orientadores de algumas disciplinas linguísticas. Destacamos o aspecto principal da teoria perciana – a natureza triádica do signo – para, a partir daí, identificarmos qual o escopo do termo “pragmático” em tal proposta. Mostramos como essa vertente pode ser aplicada ao estudo das diferentes semioses, a partir das matrizes do pensamento e da linguagem (SANTAELLA, 2005). Finalmente, destacamos as diferenças fundamentais entre a Linguística e a Semiótica, no que tange ao caráter pragmático, salientando que a manutenção desse caráter tal como se configura na Linguística demanda especificidades não consideradas no tratamento proposto pela Semiótica. Assumindo que a natureza multifocal do objeto de estudo dos “linguistas dos usos” – os sentidos – reclama um tratamento interdisciplinar, defendemos, que informar-se sobre como outras áreas do saber tratam dos processos de significação a partir de um recorte pragmático é necessário para aprimorar os instrumentos e métodos em Linguística.

Palavras-chave


Pragmática; Semiótica; Signo; Interação; Contexto

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i48.1244

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Débora Liberato Arruda Hissa, Valdinar Custódio Filho

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.