ABahia se Revém: Considerações sobre a Tradução de Finnegans Wake

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v1i50.1332

Palavras-chave:

James Joyce, Finnegans Wake, Tradução

Resumo

Neste artigo, discutimos os desafios de se ler e traduzir Finnegans Wake (1939), de
James Joyce (1882-1941). A primeira parte lida com o apelo do próprio romance para que se
adote um novo paradigma de tradução capaz de torná-la traduzível. A perspectiva de Joyce
sobre a tradução de Finnegans Wake também será explorada. A segunda parte prioriza o
trabalho de quatro tradutores de Finnegans Wake para o português brasileiro: Augusto e
Haroldo de Campos, Donaldo Schüler, Dirce Watrick do Amarante e Caetano Galindo. As
traduções de um curto excerto do texto de Joyce realizada pelos quatro tradutores são objeto
de análise. Suas visões sobre como traduzir a obra de Joyce também são levadas em
consideração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vitor Alevato do Amaral, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

Professor do Departamento de Letras Modernas da Universidade Federal Fluminense - UFF. Líder do grupo de pesquisa Estudos Joycianos no Brasil. 

Downloads

Publicado

2019-12-30

Como Citar

Amaral, V. A. do. (2019). ABahia se Revém: Considerações sobre a Tradução de Finnegans Wake. Revista Da Anpoll, 1(50), 152–164. https://doi.org/10.18309/anp.v1i50.1332

Edição

Seção

Estudos Literários 2019