Assumir a forma de animais selvagens: elementos de Horror Corporal no quarto ramo de Mabinogi

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v51i3.1456

Palavras-chave:

Body horror, Blodeuwedd, Ciência medieval, Literatura galesa

Resumo

Jason Colavito (2007) descreve “horror corporal” como uma seção na ficção de horror que se ocupa das “inquietações relacionadas ao corpo físico e seu relacionamento com o mundo natural” (p. 113). Tais narrativas frequentemente emergem durante períodos nos quais há ansiedades sociais conectadas à expansão científica e algum desafio aos valores morais. O presente artigo propõe uma leitura da história “Math, son of Mathonwy” explorando a possibilidade de que esta narrativa apresenta aspectos de horror corporal. Olhando para o contexto histórico e social do manuscrito medieval Y Mabinogi (O Mabinogi), este estudo revisa os debates científicos que ocorreram na Grã-Bretanha durante o século XII, e os relaciona com as transformações corporais e punição física apresentadas no quarto ramo do Mabinogi. Esta análise foca principalmente na metamorfose da personagem Blodeuwedd, cujo corpo é permanentemente alterado como parte de um julgamento por suas ações morais. Por fim, a natureza fluida dos corpos nesta narrativa demonstra alguma semelhança com o horror corporal, por se aproximar de alguns dos debates e questionamentos introduzidos pelos estudos monásticos durante a Idade Média.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela Pirotti Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul,

Mestranda em Estudos de Literatura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Sua pesquisa atual se centra em literatura galesa medieval, trabalhando junto ao projeto Sociedade, História e Memória nas Literaturas de Língua Inglesa.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Pirotti Pereira, G. (2020). Assumir a forma de animais selvagens: elementos de Horror Corporal no quarto ramo de Mabinogi. Revista Da Anpoll, 51(3), 74–83. https://doi.org/10.18309/anp.v51i3.1456

Edição

Seção

Estudos Literários (2020)