Espetros de Orpheu

Roberto Vecchi

Resumo


Várias são as formas com que se articularam as mitologias da modernidade provocadas pela experiência do Orpheu. No entanto, há uma dimensão menos evidente que é a espetralidade de Orpheuque se conjugou ao longo do século XX como uma sombra intermitente condicionando momentos estéticos e críticos de diferente natureza, às vezes até em contradição recíproca.  Talvez se possa pensar numa teoria do espetro sustentada pela própria dinâmica do Orpheu, onde a natureza anfibológica do espetro -ao mesmo tempo presente e ausente, vivo e morto- atua a partir de uma resistência ou uma força que marcam sinais e sobrevivências, apesar de um fim nunca assumido e sempre adiado.  Orpheuinscreve-se assim plenamente naquela “hantologie” pensada por Derrida a partir do célebre começo do Manifesto do Partido comunista de Marx. Porque, também no Orpheu, o que está em jogo é a ontologia do espetro: a repetição e a primeira vez. Como é inegável, a espetralidade do Orpheu 3, retorno fracassado do mito moderno de Orpheu, anúncio recorrente e impossível de um reaparição fantasmática que se realiza só na dimensão crítica e conceptual do póstumo (como resto sobrevivente).

 


Creative Commons License 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License


Palavras-chave


Orpheu 3; Espetro; Pessoa; Derrida

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i38.863

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.