QUATRO OLHOS SOBRE AMERICANAH: A PARTIR DE ONDE O TEXTO DE ADICHIE FALA E PARA QUEM?

Autores

  • Liane Schneider Universidade Federal da Paraíba
  • Eliza de Souza Silva Araújo Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v1i41.920

Palavras-chave:

Tradução, Chimamanda Adichie, Americanah

Resumo

O presente artigo discute as práticas tradutórias através da análise do romance Americanah, de Chimamanda N. Adichie, levando em conta sua tradução do inglês para o português. A narrativa em tela aponta estranhamentos por parte da protagonista no que diz respeito a, principalmente, compreensões sobre raça e gênero nos dois países implicados, ou seja, Nigéria e Estados Unidos, e como os mesmos aparecem transpostos nas duas línguas em questão. Assim, ao longo do trabalho, foram destacados exemplos e opções tradutórias na versão em português da narrativa que ilustram como tais escolhas inegavelmente explicitam marcas das diferenças culturais envolvidas no que se refere a visões de mundo, ideologias, padrões de construção de identidade nas culturas de partida e de chegada. Com base em discussões desenvolvidas por teóricos/as da tradução, da cultura e da adaptação, entre os quais destacamos Venuti, Chamberlain e Hutcheon, apresentamos nossas considerações sobre como questões raciais e de gênero se mostram carregadas de elementos que ultrapassam aspectos linguísticos, sugerindo que paradigmas e ideologias podem ser mais determinantes para as escolhas do/a tradutor/a do que o arsenal de termos (quase) equivalentes em duas línguas colocadas em diálogo através da tradução efetuada. 

 

 

Creative Commons License 
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Liane Schneider, Universidade Federal da Paraíba

Possui graduação (Bacharelado) em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995). O doutorado em Letras (Inglês e Literaturas Correspondentes) a professora obteve pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2000. Atualmente atua no Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da UFPB e no Programa de Pós-Graduação em Letras da mesma instituição. Suas pesquisas mais recentes estão voltadas aos estudos de gênero, culturais e pós-coloniais. A professora tem mais recentemente pesquisado a literatura produzida por grupos definidos como não-hegemônicos – indígenas, afro-descendentes, mulheres, homossexuais, etc. As literaturas em língua inglesa e as questões culturais implicadas (estadunidense, canadense, inglesa) e as comparações dessas com as produções brasileiras são seu maior interesse.

Eliza de Souza Silva Araújo, Universidade Federal da Paraíba

Eliza Araújo é aluna do programa de Pós Graduação em Letras da UFPB. Sua pesquisa de mestrado explora questões de gênero e raça na obra literária "Americanah";, de Chimamanda Adichie.

Downloads

Publicado

2016-12-30

Como Citar

Schneider, L., & Araújo, E. de S. S. (2016). QUATRO OLHOS SOBRE AMERICANAH: A PARTIR DE ONDE O TEXTO DE ADICHIE FALA E PARA QUEM?. Revista Da Anpoll, 1(41), 159–171. https://doi.org/10.18309/anp.v1i41.920

Edição

Seção

III. SOBRE A TRADUÇÃO