RELIGIÃO E VIOLÊNCIA EM A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA

Autores

  • João Batista Pereira Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v1i41.947

Palavras-chave:

Augusto Matraga, Alegoria benjaminiana, Guimarães Rosa

Resumo

Este artigo busca refletir sobre a configuração da violência no conto A hora e a vez de Augusto Matraga, de Guimarães Rosa. Ao creditar importância aos condicionantes históricos para entender a natureza brutal da sociedade sertaneja, destacamos em nossa análise como a religião edifica uma nova forma de opressão, operando contra os princípios éticos e morais que definem a subjetividade do protagonista. Os pressupostos teóricos antevistos no livro Origem do drama trágico alemão, de Walter Benjamin, em cujos fundamentos a alegoria, em liame com a perspectiva dialética, se alça como categoria analítica, embasaram a leitura do relato rosiano. Concluímos que, ao abandonar as práticas cristãs e se voltar para a face secular do sertão, a formação pietista de Augusto Matraga foi insuficiente para redimir as atribulações de sua alma. Para aceitar o fardo que era viver em um espaço social profanado pela história e abandonado por Deus, a morte se insurge como um espelho que reflete os contornos mais luminosos de sua redenção.

 

Creative Commons License 
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Batista Pereira, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Professor Adjunto do Departamento de Letras da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Ceará (UFC)

Downloads

Publicado

2016-12-30

Como Citar

Pereira, J. B. (2016). RELIGIÃO E VIOLÊNCIA EM A HORA E A VEZ DE AUGUSTO MATRAGA. Revista Da Anpoll, 1(41), 128–137. https://doi.org/10.18309/anp.v1i41.947

Edição

Seção

II. NARRATIVA, PERSONAGEM, IDEOLOGIA