A prova de redação como um desafio ético: o caso do vestibular da UERJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v1i45.1105

Palavras-chave:

Vestibular, Redação, Responsividade, Ensino

Resumo

Neste artigo, propomos uma reflexão acerca das alterações de caráter acadêmico promovidas, a partir de 2016, na prova de redação do Vestibular Estadual, organizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Com o objetivo de explicitar a complexa rede de práticas de linguagem em que se inscrevem os diferentes atores no contexto dessa prova, com ênfase em seu processo de correção, usamos como chaves amplas de análise a noção de dialogismo (BAKHTIN, 2004) e de educação pelo argumento (KRAUSE; CARVALHO, 2000). Nesse percurso, procuramos ressaltar de que modo as dimensões linguística e ética se articulam na construção de um processo avaliativo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gustavo Bernardo Krause, Universidade Estado do Rio de Janeiro

Gustavo Bernardo Krause é Professor Associado de Teoria da Literatura, bem como Diretor do Departamento de Seleção Acadêmica, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É bolsista do Programa Prociência (Uerj/Faperj). Publicou até hoje 13 ensaios, entre eles A dúvida de Flusser (2002), A ficção cética (2004), O livro da metaficção (2010), O problema do realismo de Machado de Assis(2011) e A ficção de Deus (2014). Como escritor, publicou também 11 romances, entre eles Reviravolta (2007), A filha do escritor (2008), Monte Verità (2009), O gosto do apfelstrudel (2010) e Nanook (2016).

Isabel Cristina Rodrigues, Universidade Estado do Rio de Janeiro

Isabel Cristina Rodrigues é professora adjunta de Língua Portuguesa do Instituto de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem mestrado em Letras pela UERJ e doutorado em Estudos da Linguagem pela UFF. Com Del Carmen Daher e Maria Cristina Giorgi, organizou o livroTrajetórias em enunciação e discurso: práticas de formação docente. Integra os GRPesq "PraLinS: Práticas de Linguagem e Subjetividade" (UERJ) e "Práticas de Linguagem, Trabalho e Formação Docente" (UFF). Desenvolve pesquisas com ênfase nos seguintes temas: formação de professores,textos jurídicos e educação de surdos

Bruno Deusdará, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professor Adjunto de Linguística da Uerj, atuando nos Programas de Pós-graduação em Letras e Linguística (FFP/UERJ) e em Letras (ILE/UERJ). É bolsista dos programas Jovem Cientista do Nosso Estado (FAPERJ) e Prociência (UERJ/FAPERJ). Coordena do GT/ANPOLL Linguagem, Enunciação e Trabalho. Com orientação teórica em análise do discurso de base enunciativa e análise institucional, tem interesse em investigações sobre formação de professores, políticas da linguagem, migração e refúgio.

Downloads

Publicado

2018-08-22

Como Citar

Krause, G. B., Rodrigues, I. C., & Deusdará, B. (2018). A prova de redação como um desafio ético: o caso do vestibular da UERJ. Revista Da Anpoll, 1(45), 173–187. https://doi.org/10.18309/anp.v1i45.1105

Edição

Seção

SEÇÃO LINGUÍSTICA