Francis Ponge e a figuração do eu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v47i1.1185

Palavras-chave:

Francis Ponge, Poesia francesa moderna, Sujeito lírico

Resumo

Em um primeiro momento, o artigo pretende investigar de que modo a experiência com as coisas se impõe como método de construção poética na obra de Francis Ponge. Em seguida, trata-se de analisar os rastros deixados por esse método de escrita que dizem respeito à questão das fronteiras entre o eu e o outro. Para alguns críticos da poesia francesa, na busca de uma linguagem objetiva e impessoal, o poeta moderno acabaria por revelar um sujeito lírico em vias de novos contornos. Para entender essa perspectiva, seguiremos principalmente as reflexões de Michel Collot e Jean-Michel Maulpoix, confrontando-as com a escrita materialista de Ponge, no poema “O caderno de bosque de pinheiros”, que compõe a coletânea A raiva da expressão, publicado em 1952.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Danielle Grace Rego de Almeida, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

Atualmente é pesquisadora bolsista de pós-doutorado (CAPES) na área de Literaturas Estrangeiras Modernas no Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatina (UFRJ). Realizou um pós-doutorado de um ano na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2017). Doutora pela Universidade Federal do Rio de Janeiro onde desenvolveu uma tese sobre Francis Ponge e a poesia francesa (2015). Cumpriu estágio doutoral de um ano na Universidade Sorbonne-Nouvelle, na França (2013). Mestre pelo mesmo programa de Pós-Graduação (UFRJ, 2009) tendo apresentado uma dissertação sobre o Surrealismo e André Breton. Atua nas seguintes áreas: poesia francesa moderna e contemporânea e ensino de língua e literatura francesa.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Como Citar

Almeida, D. G. R. de. (2018). Francis Ponge e a figuração do eu. Revista Da Anpoll, 1(47), 46–56. https://doi.org/10.18309/anp.v47i1.1185

Edição

Seção

SEÇÃO LITERATURA