Francis Ponge e a figuração do eu

Danielle Grace Rego de Almeida

Resumo


Em um primeiro momento, o artigo pretende investigar de que modo a experiência com as coisas se impõe como método de construção poética na obra de Francis Ponge. Em seguida, trata-se de analisar os rastros deixados por esse método de escrita que dizem respeito à questão das fronteiras entre o eu e o outro. Para alguns críticos da poesia francesa, na busca de uma linguagem objetiva e impessoal, o poeta moderno acabaria por revelar um sujeito lírico em vias de novos contornos. Para entender essa perspectiva, seguiremos principalmente as reflexões de Michel Collot e Jean-Michel Maulpoix, confrontando-as com a escrita materialista de Ponge, no poema “O caderno de bosque de pinheiros”, que compõe a coletânea A raiva da expressão, publicado em 1952.  


Palavras-chave


Francis Ponge; Poesia francesa moderna; Sujeito lírico

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v47i1.1185

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 Danielle Grace de Ameida

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.