Tradução, autoria e original: potências do rizoma

Gilles Jean Abes

Resumo


O polêmico embate entre as visões opostas de Rosemary Arrojo e Paulo Henriques Britto, no campo da tradução, é exemplar na forma como se tem polarizado tentativas de subtrair tradutor e tradução a uma situação de subalternidade. Dessa dicotomia decorre com frequência a desvalorização de um dos lados a fim de legitimar o outro. Assim, neste artigo, objetivo uma alternativa a essa situação. Nesse sentido, iniciouma reflexão com base nas experiências de Carlos Drummond de Andrade, Charles Baudelaire e Paulo Henriques Britto, enquanto poetas e tradutores, buscando investigar a noção de autoria e debater o que se entende por original e tradução. Finalmente, procuro apontar uma vereda possível para evitar posições binárias: autor versus tradutor, original versus tradução. Proponho aqui debater esses termos empregando o conceito de rizoma, alocando tanto o original quanto o texto traduzido nessa rede assistemática, de proliferação horizontal, que possibilita a compreensão de relações não hierárquicas, assim como a inclusão do percurso por vezes caótico de obras como, por exemplo, os chamados “clássicos”.


Palavras-chave


Translation; Authorship; Original; Rhizome

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i44.1139

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 Gilles Jean Abes

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.