Bilíngues conseguem avaliar com precisão a sua proficiência em um questionário de histórico da linguagem?

Uma correlação entre medidas de proficiência autoavaliada e objetiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i1.1506

Palavras-chave:

Proficiência, Proficiência Autoavaliada, Questionário de Histórico da Linguagem

Resumo

Pesquisas com bilíngues aplicam diferentes medidas para avaliar proficiência, uma delas são os questionários de histórico da linguagem, que incluem perguntas sobre a experiência dos indivíduos e a sua proficiência auto-avaliada. Estudos sugerem que bilíngues conseguem relatar a sua proficiência de forma consistente com medidas objetivas (MARIAN et al., 2007; LUK et al., 2013; GERTKEN et al., 2014; BRANTMEIR et al., 2012). Nesse contexto, o objetivo do presente estudo foi investigar a relação entre duas medidas distintas de proficiência. Para isso, correlacionamos a autoavaliação de proficiência dos participantes (N = 112) no Questionário de Experiência e Proficiência Linguística (QuExPLi) com as suas pontuações no TOEFL ITP. Também realizamos uma regressão linear simples entre os escores médios das duas medidas. Os resultados mostram uma correlação fraca e significativa entre a proficiência autoavaliada dos participantes e suas pontuações no TOEFL ITP, bem como uma equação de regressão significativa. Além disso, quando as pontuações nas habilidades individuais foram correlacionadas com a proficiência autoavaliada dos participantes nessas habilidades (N = 16), correlações significativas moderadas a fortes foram encontradas. Esses resultados se somam a pesquisas que encontraram dados de que bilíngues são capazes de relatar sua proficiência com precisão. No entanto, mais estudos em diferentes contextos são necessários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Paula Scholl, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Possui Graduação em Letras - Licenciatura Português/Inglês (2013) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Mestrado em Linguística Aplicada pela mesma universidade (2016). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas, atuando principalmente no tema bilinguismo. É membro do LABICO - Laboratório de Bilinguismo e Cognição na UFRGS. Atualmente, é aluna de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Ana Beatriz Arêas da Luz Fontes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Possui graduação em Jornalismo pela The University of Texas at El Paso - UTEP (2005) e mestrado e doutorado em Psicologia Social, Cognitiva e Neurociência também pela UTEP (2008, 2010). Tem experiência de pesquisa na área de Psicologia Cognitiva, com ênfase em Psicolinguística e Bilinguismo. Lecionou no Departamento de Psicologia da Penn State University, campus Beaver, de 2012 a 2014. Atualmente, é professora do Instituto de Letras e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras, ambos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É membro do LABICO - Laboratório de Bilinguismo e Cognição na UFRGS desde 2014 e coordena o grupo de pesquisa ProLinGue - Processamento de Linguagem Bilíngue.

Ingrid Finger, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Professora Associada do Departamento de Línguas Modernas da UFRGS, com vínculo permanente ao PPG Letras. Possui Mestrado e Doutorado em Letras pela PUCRS, tendo realizado Estágio Doutorado-Sanduíche na City University of New York – CUNY. Realizou Estágio Sênior no Exterior no Brain and
Language Lab, da Georgetown University. Tem atuação nas áreas de Bilinguismo e Educação Bilíngue, Psicolinguística do Bilinguismo, Linguística Aplicada e Neurociência e Educação. Coordena o LABICO - Laboratório de Bilinguismo e Cognição na UFRGS desde 2006 e faz parte da Rede Nacional da Ciência para a Educação.

Referências

ADESOPE, O.; LAVIN, T.; THOMPSON, T.; UNGERLEIDER, C. A. Systematic review and Meta-Analysis of the Cognitive Correlates of Bilingualism. Review of Educational Research, v. 80, n. 2, p. 207-245, 2010. https://doi.org/10.3102/0034654310368803

ANTONIOU, M. The advantages of bilingualism debate. Annual Review of Linguistics, v. 5, n. 1, p. 395–415, 2019. https://doi.org/10.1146/annurev-linguistics-011718-011820

BAKER, C. Foundations of Bilingual Education and Bilingualism. Multilingual Matters, 2011.

BIALYSTOK, E. Bilingualism in Development: Language, Literacy, and Cognition. Cambridge University Press, 2001.

BIALYSTOK, E. The bilingual adaptation: How minds accommodate experience. Psychological Bulletin, v. 143, n. 3, p. 233-262, 2017. https://doi.org/10.1037/bul0000099

BIALYSTOK, E.; CRAIK, F.; LUK, G. Bilingualism: consequences for mind and brain. Trends in Cognitive Sciences, v. 16, n. 4, p.240-250, 2012. https://doi.org/10.1016/j.tics.2012.03.001

BRANTMEIER, C.; VANDERPLANK, R.; STRUBE, M. What about me? Individual self-assessment by skill and level of language instruction. System, v. 40, n. 1, p. 144-160. https://doi.org/10.1016/j.system.2012.01.003

BRUIN, A.; TRECCANI, B.; DELLA SALLA, S. Cognitive Advantage in Bilingualism: An Example of Publication Bias? Psychological Science, v. 26, n. 1, p. 99-107, 2014. https://doi.org/10.1177/0956797614557866

CANALE, M.; SWAIN, M. Theoretical bases of communicative approaches to second language teaching and testing. Applied linguistics, 1, 1980.

CHRISTENSEN, L. B.; JOHNSON, R. B.; TURNER, L. A. Research Methods, Design and Analysis. Pearson, 2014.

COSTA, A.; HERNÁNDEZ, M.; SEBASTIÁN-GALLÉS, N. Bilingualism aids conflict resolution: Evidence from the ANT task. Cognition, v. 106, n. 1, p. 59–86, 2008. https://doi.org/10.1016/j.cognition.2006.12.013

DELGADO, P.; GUERRERO, G.; GOGGIN, J.; ELLIS, B. Self-Assessment of Linguistic Skills by Bilinguals Hispanics. Hispanic Journal of Behavioral Sciences, v. 21, n. 1, p. 31-46, 1999. https://doi.org/10.1177/0739986399211003

DÖRNEI, Z. Questionnaires in Second Language Research: Construction, Administration and Processing. Lawrence Erlbaum Associates, 2003.

EDUCATIONAL TESTING SERVICE. TOEFL ITP. https://www.ets.org/toefl_itp/about

GERTKEN, L.; AMENGUAL, M.; BIRDSONG, D. Assessing Language Dominance with the Bilingual Language Profile. In: LECLERQ, P.; EDMONDS, A.; HILTON, H. (Eds). Measuring L2 Proficiency: Perspectives from SLA. Bristol: Multilingual Matters, 2014.

GROSJEAN, F. Studying bilinguals: Methodological and conceptual issues. In: BHATIA, T.; RITCHIE,W. (Eds.) The handbook of bilingualism. New York: Blackwell, 2006.

HULSTINJ, J. Language proficiency in native and non-native speakers: Theory and research. Amsterdan: John Benjamins Publishing Company, 2015.

HYMES, D. On Communicative Competence. In: PRIDE, J. B.; HOLMES, J. (Eds.) Sociolinguistics. London: Penguin, 1972.

KUNNAN, A. High-stakes language testing. In: CHAPELLE, C. (Ed.). The encyclopedia of applied linguistics. New York: Wiley, 2012.

KUNNAN, A., GRABOWSKI, K. Large scale second language assessment. In: CELCE-MURCIA, M. et al. (Eds.). Teaching English as a second or foreign language. Heinle/Cengage, 2013.

LEIVADA, E.; WESTERGAARD, M.; DUÑABEITIA, J.; ROTHMAN, J. On the phantom-like appearance of bilingualism effects on neurocognition: (How) should we proceed? Bilingualism: Language and Cognition, v. 24, n. 1, 197–210, 2020. https://doi.org/10.1017/S1366728920000358

LI, P.; SEPANSKI, S.; ZHAO, X. (2006). Language history questionnaire: A Web-based interface for bilingual research. Behavior Research Methods, v. 38, n. 2, p. 202-210, 2006. https://doi.org/10.3758/BF03192770

LUK, G.; BIALYSTOK, E. Bilingualism is not a categorical variable: Interaction between language proficiency and usage. Journal of Cognitive Psychology, v. 25, n. 5, p. 605-621, 2013. https://doi.org/10.1080/20445911.2013.795574

MARIAN, V.; BLUMENFELD, H. K.; KAUSHANSKAYA, M. The Language Experience And Proficiency Questionnaire (LEAP-Q): Assessing language profiles in bilinguals and multilinguals. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, v. 50, n. 4, p. 940-967, 2007. https://doi.org/10.1044/1092-4388(2007/067)

ORTEGA, L. Understanding Second Language Acquisition. New York: Hodder Education, 2009.

PAAP, K.; GREENBERG, Z. There is no coherent evidence for a bilingual advantage in executive processing. Cognitive Psychology, v. 66, n. 2, 232-258, 2013. https://doi.org/10.1016/j.cogpsych.2012.12.002

PAAP, K.; JOHNSON, H.; SAWI, O. Bilingual advantages in executive functioning either do not exist or are restricted to very specific and undetermined circumstances. Cortex., v. 69, p. 265-278, 2015. https://doi.org/10.1016/j.cortex.2015.04.014

PAAP, K.; LIU, Y. Conflict resolution in sentence processing is the same for bilinguals and monolinguals: The role of confirmation bias in testing for bilingual advantages. Journal of Neurolinguistics, v. 27, n. 1, p. 50-74, 2014. https://doi.org/10.1016/j.jneuroling.2013.09.002

POWERS, D. (2010). The Case for a Comprehensive, Four-Skills Assessment of English Language Proficiency. ETS: TOEIC Compendium, 2010.

ROMAINE, S. Bilingualism. New York: Blackwell, 1995.

SCHOLL, A. P.; FINGER, I. Elaboração de um questionário de histórico da linguagem para pesquisas com bilíngues. Nonada: Letras em Revista, v. 2, n. 21, 2013.

SHOHAMY, E. (2007). Tests as power tools: looking back, looking forward. In: FOX, J. et al. (Eds). Language Testing: Reconsidered. Ottawa: University of Ottawa Press, 2007.

SURRAIN, S.; LUK, G. Describing bilinguals: A systematic review of labels and descriptions used in the literature between 2005–2015. Bilingualism: Language and Cognition, v. 22, n. 2, p. 401-415, 2017. https://doi.org/10.1017/S1366728917000682

TREMBLAY, A. Proficiency assessment standards in second language acquisition research: “closing the gap”. Studies in Second Language Acquisition, v. 33, p. 339-372, 2011.

VALIAN, V. Bilingualism and cognition: A focus on mechanisms. Bilingualism: Language and cognition, v. 18, n. 1, p. 47-50, 2015. https://doi.org/10.1017/S1366728914000698

WILSON, K. Validity of Global Self-Ratings of ESL Speaking Proficiency Based on an FSI/ILR-Referenced Scale. Educational Testing Services, 1999.

Downloads

Publicado

2021-05-31

Como Citar

Scholl, A. P., Fontes, A. B. A. da L., & Finger, I. (2021). Bilíngues conseguem avaliar com precisão a sua proficiência em um questionário de histórico da linguagem? Uma correlação entre medidas de proficiência autoavaliada e objetiva. Revista Da Anpoll, 52(1), 142–161. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i1.1506

Edição

Seção

Estudos Linguísticos (2021)